(12) 98706-7975
30228-J
Encontre seu Imóvel
Negócio:
Tipo
Quartos:
Cidade
Bairro
Preço
de
até
Buscar pelo Código

Quem Somos

São José dos Campos
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa
Município de São José dos Campos\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Capital do Vale\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"SJC\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"

Vista parcial noturna de São José dos Campos
BandeiraBrasão
HinoFundação27 de julho de 1767 (252 anos)GentílicojoseenseLemaAura terraque generosa
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Generosos são os ares de minha terra\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"
Padroeiro(a)São JoséPrefeito(a)Felício Ramuth (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de São José dos Campos em São Paulo

São José dos Campos
Localização de São José dos Campos no Brasil
23° 10\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\' 44\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" S 45° 53\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\' 13\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" OUnidade federativaSão PauloRegião intermediáriaRegião imediataRegião metropolitanaVale do Paraíba e Litoral NorteMunicípios limítrofesNorte: CamanducaiaSapucaí-Mirim;
Sul: JacareíJambeiro;
Leste: Monteiro LobatoCaçapava;
Oeste: IgaratáJoanópolis e Piracaia.
Distância até a capital94 km[2]Características geográficasÁrea1 099,77 km² [3]População713 943 hab. (SP: 6º) –  estatísticas IBGE/2018[4]Densidade649,17 hab./km²Altitude600 mClimatropical de altitude CwaFuso horárioUTC−3IndicadoresIDH-M0,807 (SP: 12°) – muito alto IBGE/2010[5]PIBR$ 37 315 782,50 mil (BR: 19º) – IBGE/2016[6]PIB per capitaR$ 53 615,25 [7]
São José dos Campos (pronúncia em português: /sɐ̃w̃ ʒuˈzɛ dus ˈkɐ̃pus/) é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Pertence à Mesorregião do Vale do Paraíba Paulista e Microrregião de São José dos Campos. É sede da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, localizando-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 94 km. Ocupa uma área de 1 100 km², da qual 353,9 km² estão em perímetro urbano.[8] Em 2018, sua população foi estimada pelo IBGE em 713 943 habitantes,[9] sendo naquele ano o sexto mais populoso de São Paulo e o 26.º de todo o país, além de ser o segundo município mais populoso do interior do Brasil, ficando atrás somente de Campinas. O município está integrado — junto com as regiões metropolitanas de São PauloCampinasSorocaba e Baixada Santista — ao Complexo Metropolitano Expandido, uma megalópole que ultrapassa os trinta milhões de habitantes (cerca 75% da população paulista) e que é a primeira aglomeração urbana do tipo no hemisfério sul.[10]
São José dos Campos foi elevado à categoria de vila em 1767. No decorrer do século XIX a agricultura desenvolveu-se no município, com destaque para o café, principalmente a partir da década de 1880. Porém na segunda metade do século XX a indústria ganhou força, sendo este o momento que a cidade descobre sua vocação para a área da tecnologia.
O município é a sede de importantes empresas, como: PanasonicJohnson & JohnsonEricssonPhilipsGeneral Motors (GM), PetrobrasMonsantoEmbraer (sede), entre outras.[11] Possui também relevantes centros de ensino e pesquisas, tais como: o DCTA, o INPE, o Cemaden, o IEAv, o IAE, o IFI, a UNESP, o ITA, a FATEC, a UNIVAP, o IP&D e a UNIFESP, sendo um importante tecnopolo[11][12][13] de material bélico, metalúrgico e sede do maior complexo aeroespacial da América Latina.[11][14] O Parque Tecnológico de São José dos Campos, o maior do tipo no país, sedia unidades de pesquisa de grandes empresas, sendo a única cidade do mundo com centros de pesquisas das três maiores fabricantes mundiais de aeronaves, a Embraer, a Boeing e a Airbus.[15][16][17]
Além da importância econômica ainda é um importante centro cultural do Vale do Paraíba. A Reserva Ecológica Augusto Ruschi, o distrito de São Francisco Xavier e o Banhado configuram-se como grandes áreas de preservação ambiental, enquanto que o Parque Santos Dumont, o Parque da Cidade e o Parque Vicentina Aranha são relevantes pontos de visitação localizados na zona urbana, além dos projetos e eventos culturais realizados pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo (FCCR), órgão responsável por projetar a vida cultural joseense.
História[editar | editar código-fonte]Séculos XVII e XVIII — Povoamento[editar | editar código-fonte]
Quando o rei Felipe II de Portugal assinou a lei de 10 de setembro de 1611 que reconhecia a liberdade dos índios (mas admitindo-lhes o cativeiro em caso de guerras ou de antropofagia) e que regulamentava os aldeamentos indígenas nos pontos que melhor conviessem aos interesses do Reino de Portugal, muitos indígenas do Planalto de Piratininga, onde se localizava a Vila de São Paulo de Piratininga, deslocaram-se para o interior da Capitania de São Vicente, para os sertões.
Entre os onze antigos aldeamentos dos padres da Companhia de Jesus ao redor da Vila de São Paulo de Piratininga e por eles administrados, figurava, no vale do rio Paraíba do Sul, a leste da Vila de São Paulo, a Aldeia de São José, localizada próximo ao Rio Comprido, a dez quilômetros de onde hoje se situa o Centro da atual cidade de São José dos Campos.[18]
Os padres jesuítas, trazendo mais alguns silvícolas, conseguiram entrar em entendimentos com os índios guaianases e dar certa vida ao aldeamento, mas, devido às desvantagens da localização deste, resolveram buscar um ponto melhor. Em 1643, a Aldeia de São José foi transferida para onde é, hoje, a Praça do Padre João Guimarães, no Centro da cidade. De 1643 a 1660, os religiosos e vários povoadores obtiveram, para os índios, diversas léguas de terras em sesmarias concedidas em 1650 pelo capitão-mor da Capitania de São Vicente, Dionísio da Costa.
Essas terras situavam-se em magnífica planície onde hoje se acha o Centro de São José dos Campos. A aldeia de São José, a partir de 1653, passa a pertencer à Vila de Jacareí, criada naquele ano a partir do seu desmembramento da vila de Mogi das Cruzes e pertencente à Capitania de São Vicente. A Aldeia de São José estava, portanto, situada nos limites da Capitania de São Vicente com a Capitania de Itanhaém, a qual compreendia o restante do Vale do Paraíba paulista e seguia até Angra dos Reis, compreendendo, também, parte do litoral sul paulista.[19]
Sabe-se, ainda, que a organização urbana no plano teórico e prático da aldeia é obra atribuída ao padre jesuíta Manuel de Leão, cuja principal ocupação era a de ser administrador, estando em São Paulo de Piratininga desde o ano de 1663 e encontrando-se à frente das fazendas mais remotas. Entre estas, figurava-se o aldeamento em solo joseense. Toda a região do Vale do Paraíba sofreu um esvaziamento populacional com as descobertas do ouro nas Minas Gerais dos Goitacases a partir de 1692.[19]
Em 1710, a Capitania de Itanhaém e a Capitania de São Vicente (que, a partir de 1720, passou a se chamar Capitania de São Paulo, com a transferência da capital para São Paulo de Piratininga), passaram a integrar a nova Capitania de São Paulo e Minas do Ouro. A Aldeia de São José progredia mais e mais, passando a ser denominada Vila Nova de São José quando se tornou vila em 1767.[19]
Em 1759, os jesuítas foram expulsos do reino de Portugal e das suas colônias pelo Marquês de Pombal; com isso, alguns brancos agregaram-se aos índios sob a direção de José de Araújo Coimbra, capitão-mor da Vila de Jacareí, e deram impulso à povoação.[19] O governador-geral da recém-recriada Capitania de São Paulo (que havia sido extinta em 1748 e anexada à do Rio de Janeiro), dom Luís António de Sousa Botelho Mourão, o Morgado de Mateus, criou várias vilas para dar impulso à capitania. Havia décadas que não se criavam vilas ao sul do Rio de Janeiro. Assim, em 27 de julho de 1767, pelo ouvidor e corregedor Salvador Pereira da Silva, foi criada a nova vila com o nome de Vila Nova de São José, depois Vila de São José do Sul, e, mais tarde, Vila de São José do Paraíba.[19] No mesmo dia 27 de julho, foram eleitos os três primeiros vereadores da nova vila, os quais eram índios, dando início à sua autonomia administrativa. Os primeiros oficiais da Câmara da nova vila foram: Juízes Ordinários: Fernando de Sousa Pousado e Gabriel Furtado; vereadores: Vicente de Carvalho, Veríssimo Correia e Luís Batista; Procurador: Domingos Cordeiro. A nova vila foi desmembrada do termo da Vila de Jacareí — sem ter sido antes freguesia. A freguesia só foi criada pela Ordem de 3 de novembro de 1768 e instalada em 1769.[19]
Século XIX — Crescimento econômico[editar | editar código-fonte]
Vista da nova Estação Ferroviária. A original foi inaugurada em agosto de 1876, e, fechada em 1925, para dar lugar a essa, que foi construída, em 1925, e abandonada em 2006.[20]
A principal dificuldade de São José, naquela época, era o fato de a \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Estrada Real\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\", que ligava São Paulo ao Rio de Janeiro, passar fora de seus domínios. O algodão teve uma rápida evolução na região quando São José dos Campos conseguiu algum destaque econômico, e, cuja produção atinge seu apogeu em 1864.
Em 22 de abril de 1864, pela lei provincial nº 27, a Vila de São José foi elevada à categoria de cidade. A Lei provincial nº 47, de 4 de abril de 1871, mudou-lhe a denominação de \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Vila de São José do Paraíba\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" para São José dos Campos. Pela Lei provincial n° 46, de 6 de abril de 1872, foi criada a Comarca de São José dos Campos.[19][21]
A partir de 1871, o município passou por duas fases distintas: o desenvolvimento agrícola — com forte preponderância da cultura do café — e a criação da estância climática, consequência natural de seus bons ares. Nesta época, há o desenvolvimento da cultura cafeeira no Vale do Paraíba Paulista que começa a ter alguma expressão a partir de 1870, já contando, inclusive com a participação de São José. No entanto, foi no ano de 1886, já contando com o apoio de uma estrada de ferro ligando São Paulo ao Rio de Janeiro, a Estrada de Ferro D. Pedro II, que mais tarde foi chamada de Estrada de Ferro Central do Brasil, inaugurada em 1877, que a produção cafeeira joseense teve seu auge, mesmo num momento em que já acontecia a decadência dessa cultura na região, conseguindo ainda algum destaque até por volta de 1930. A antiga estação de trem ficava na confluência da Rua Euclides Miragaia com a Avenida João Guilhermino, sendo transferida, na década de 1920, para a sua localização atual.[21]
Em 15 de dezembro de 1909, a cidade parou para receber e saudar, na antiga estação de trem, próximo da atual Avenida João Guilhermino com a Rua Euclides Miragaia, o candidato a presidente da república Rui Barbosa apoiado pelos paulistas, na campanha civilista. No livro Excursão Eleitoral pelo Estado de São Paulo, é dito que foi saudado pelo Dr. Francisco Rafael de Araújo e Silva e que a banda \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Euterpe Santanense\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" executou o Hino Nacional, e, é assim, descrito, o entusiasmo do povo:[21]
As 5:30 silvou na subida do Lavapés (próximo ao atual Paço Municipal) a máquina comboiando o (trem) especial que conduzia a São Paulo, o conselheiro Rui Barbosa. Um frêmito de contentamento e agradável emoção agitou a multidão que prorrompeu em vibrantes e entusiásticos vivas ao eminente brasileiro. Sua Excia. foi coberto de flores por um grande número de meninas trajadas de branco, postadas em alas na plataforma. Durante os cinco minutos de demora do especial na estação desta cidade, a aclamação ao candidato civilista não se interromperam por um instante sequer..até que o trem partiu conduzindo o ilustre itinerante saudados por vivas patrióticos levantados à sua personalidade emérita por milhares de vozes que se agitavam num burburinho indescritível de satisfação e contentamento vitoriando sempre e mais o peclaro compatrício.Século XX — Desenvolvimento estrutural e populacional[editar | editar código-fonte]
Na década de 1910, surge a primeira ponte sobre o rio Paraíba, uma ponte metálica de 80 metros de comprimento, ligando o centro da cidade e o Bairro de Santana à zona norte do município e a Minas Gerais. Esta ponte foi elogiada como moderna, em 1917, no \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Primeiro Congresso Paulista de Estradas de Rodagem\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\", que teve suas atas publicadas em livro homônimo.[21] A inauguração da primeira rodovia que atravessava o Vale do Paraíba deu novo impulso à região.
A Estrada São Paulo-Rio, que ligou São Paulo a Bananal, em 1924, construída pelo presidente do estado de São Paulo Dr. Washington Luís, que, em 1928, já como presidente da república, concluiu a rodovia até a cidade do Rio de Janeiro. Essa estrada ainda existe, no trecho paulista, com diversas denominações como SP-62SP-64SP-66 e SP-68 e é conhecida como \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Estrada Velha\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\".[21] Na sua mensagem ao Congresso do Estado de São Paulo, em 1922, o Dr. Washington Luís mostra como melhorou os transportes no Vale do Paraíba devido à sua prioridade \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Governar é Abrir Estradas\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\". As primeiras obras rodoviárias de seu governo, (1920-1924), foram no Vale do Paraíba:[22]
Já começou também a estabelecer ligações terrestres do litoral norte com o Vale do Paraíba. Já fez o caminho, por cavaleiros, tropas e pedestres entre Ubatuba e São Luís do Paraitinga, de onde se vai a Taubaté, por automóveis em duas horas, sendo que na subida da serra, em 9 quilômetros, encontrou-o todo revestido de lageões, serviço de há mais de 50 anos cuja restauração foi fácil. Fez também a ligação de caminho idêntico entre São Sebastião e Caraguatatuba e vai atacar, nas mesmas condições, o que desta cidade vai a Paraibuna, cidade que já se comunica por automóveis em duas horas com São José dos Campos e Jacareí!
Avião no Aeroporto de São José dos Campos com a cidade ao fundo.
Na década de 1920, surgem as primeiras unidades industriais: os Lacticínios Vigor, a Fábrica de Louças Santo Eugênio, a Cerâmica Paulo Becker, a Tecelagem Parahyba e a Cerâmica Weiss.
A procura do município de São José dos Campos para o tratamento de tuberculose pulmonar iniciou-se deste século, devido às condições climáticas supostamente favoráveis.
Entretanto, somente em 1935, quando o município foi transformado em Estância Climática e depois Estância Hidromineral, que São José passou a receber recursos oficiais que puderam ser aplicados na área sanatorial, por outro lado, São José passou a ter prefeitos nomeados, chamados de \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"prefeitos sanitaristas\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\". Através de lei estadual de 1977, São José pode voltar a eleger seus prefeitos, sendo que a primeira eleição para prefeito, se deu, então, em 15 de novembro de 1978.[22]
Foram sete os principais sanatórios: O Vicentina Aranha, pertencente à Santa Casa de São Paulo, inaugurado em 1924, pelo presidente de São Paulo Dr. Washington Luís,[23] o Vila Samaritana, pertencente à comunidade evangélica, o Ezra, pertencente à comunidade judaica, o Maria Imaculada e o Sanatório Antoninho da Rocha Marmo, pertencentes à Igreja Católica, o Ruy Dória, criado e pertencente ao médico Dr. Ruy Rodrigues Dória, e o Sanatório Adhemar de Barros, criado pelo governador Dr. Adhemar Pereira de Barros e dirigido e mantido pela \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Liga de Assistência Social\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\". Existiu também na Rua Paraibuna, o Sanatório São José, do doutor Jorge Zarur. Os sanatórios foram assim, esforço coletivo de todas as comunhões religiosas, de particulares e estadistas idealistas. Além do Dr. Ruy Dória, se destacaram como médicos sanitaristas: Jorge Zarur, Orlando Campos, João Batista de Souza Soares, Ivan de Souza Lopes, Décio Lemes Campos, Amaury Louzada Velozo e Nelson Silveira D\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\'Ávila.[22] Muitos doentes que não conseguiam vagas nos sanatórios, ficavam nas pensões, principalmente aquelas da Rua Vilaça, perto do sanatório do Dr. Ruy Dória.[22]
Vocação tecnológica[editar | editar código-fonte]
Inauguração da Fábrica da General Motors em São José dos Campos (SP) pelo Presidente Juscelino Kubitschek, 1959. Arquivo Nacional.
O processo de industrialização do município toma impulso a partir da instalação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), em 1950, e posteriormente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e também com a inauguração da Rodovia Presidente Dutra em 1951, possibilitando assim uma ligação mais rápida entre Rio de Janeiro e São Paulo, pela primeira vez, em estrada asfaltada, e cortando a parte urbana de São José dos Campos. Nessa mesma época, doaram-se terrenos às margens da nova rodovia, onde se instalaram várias fábricas, iniciando-se a industrialização da cidade. Novo impulso foi dado com a duplicação da Rodovia Presidente Dutra, obra iniciada em 1964 e concluída em 1967.[24]
Em 1969, a criação da Embraer, originada em um setor de desenvolvimento de aeronaves do CTA, chamado PAR, coloca a cidade em uma nova era de desenvolvimento tecnológico, gerando muitos empregos e mão-de-obra especializada, sendo atualmente a maior empregadora da cidade, e fazendo que a cidade seja considerada a Capital do Avião. Fundamental para o desenvolvimento da Embraer foi a mão-de-obra especializada formada pelo ITA.
Em 1977, a inauguração da Refinaria Henrique Lage (REVAP) trouxe mais empregos e tecnologia à cidade.[24] Também, neste ano, a cidade recuperou sua autonomia administrativa, voltando a eleger seus prefeitos devido à Lei Estadual n° 1402/1977 pela qual o município deixou de ser estância hidromineral, as quais tinham seus prefeitos municipais nomeados pelo Governador do Estado.[25][26]
Em 1994, é inaugurado um novo acesso da cidade de São Paulo à região de São José dos Campos, a rodovia Carvalho Pinto que é um prolongamento da Rodovia Ayrton Senna inaugurada em 1982. A conjunção desses fatores permitiu que o município caminhasse para o potencial científico-tecnológico em que se encontra.[24]
A consolidação da urbanização deu-se no decorrer do século XX, principalmente após a década de 1950.
Em janeiro de 2012, foi criada, pela Lei Complementar nº 1.166, de 9 de janeiro de 2012, a \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Região Metropolitana do Vale do Paraíba\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" e o Decreto n° 59.229 de 24 de maio de 2013 instituiu o \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Fundo de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" - FUNDOVALE, o que deu novo impulso à região.[27]
A população é formada por pessoas que vieram de várias partes do país, como Sul de Minas, cidades como Soledade de MinasCaxambuItanhanduCamanducaia, entre outras; e várias outras regiões, sendo também um polo de atração intra-regional dentro do Vale do Paraíba e do próprio estado de São Paulo, atraindo pessoas das cidades vizinhas e de outras regiões administrativas, como Campinas e a Grande São Paulo.[28] Pessoas que viram em São José uma oportunidade de crescerem na vida, visto as inúmeras oportunidades que a cidade oferece, e que aqui se estabeleceram.
Hoje São José dos Campos é um centro de referência no Vale do ParaíbaSul de MinasSul Fluminense e Litoral de São Paulo, sendo também referência de São Paulo e em todo país, na área de estudos, medicina, trabalho e serviços diversos.[24] Em São José está instalado um parque tecnológico estadual, com empresas, instituições de ciência e tecnologia, e instituições de ensino e de pesquisa na área de tecnologia[29] atuando nas áreas de aeronáutica, energia, saúde, recursos hídricos e saneamento, espacial, e ferroviária.[30]
Geografia[editar | editar código-fonte]
Vista aérea da Zona Sul de São José dos Campos.
A área do município, segundo dados da Prefeitura Municipal da cidade, é de 1099,6 km², sendo que 353,9 km² constituem a zona urbana e os 745,7 km² restantes constituem a zona rural.[8] Situa-se a 23º10′44” de latitude sul e 45º53′13” de longitude oeste e está a uma distância de 94 quilômetros a nordeste da capital paulista. Limita-se com Camanducaia e Sapucaí-Mirim, no estado de Minas Gerais, a norte; Jacareí e Jambeiro, a sul; Monteiro Lobato e Caçapava, a leste; e IgaratáJoanópolis e Piracaia, a oeste.[31]
Região Metropolitana[editar | editar código-fonte]
O intenso processo de conurbação atualmente em curso na região vem criando uma metrópole cujo centro está em São José dos Campos, atingindo vários municípios, como TaubatéAparecidaGuaratinguetáCaraguatatubaCampos do JordãoPindamonhangaba e Jacareí. A Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVale) foi criada pela lei complementar estadual 1166, de 9 de janeiro de 2012. É constituída por 39 municípios, sendo em 2015, a 12ª maior aglomeração urbana do Brasil, com 2 453 387 habitantes.[32]
A Região Metropolitana faz parte do chamado Complexo Metropolitano Expandido, que ultrapassa os 30 milhões de habitantes, mais de 75% da população do estado paulista inteiro.[10] Há estudos que afirmam a existência de uma megalópole no eixo localizado entre as regiões metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro, interligadas especialmente pela Via Dutra, que abrange ainda a região do Vale do Paraíba, onde São José dos Campos está situada.[33]
Relevo e hidrografia[editar | editar código-fonte]

Conheça os bairros mais nobres de São José dos Campos
  •  
  •  
  •  
  •  
Não só o imóvel é importante, mas também o bairro onde está localizado.
Toda cidade tem aquelas regiões que são mais desejadas. Seja pela facilidade de acesso, pela segurança, infraestrutura ou simplesmente pela quantidade de imóveis de luxo valendo mais de 7 dígitos na região.
Por aqui, as regiões selecionadas para abrigar esses bairros foram a região Oeste e Central. Quer conhecer quais são esses bairros? Confira abaixo a lista dos 5 bairros mais nobres de São José dos Campos:
Jardim Aquarius – O mais desejado
É o primeiro bairro que vem a mente quando se trata de bairro nobre na cidade e a maioria dos novos moradores quem morar aqui.
A principal avenida é a Cassiano Ricardo, com prédios comerciais e residenciais modernos e de alto padrão, além de bares e restaurantes requintados como o Golden Grill. 
No Aquarius, além dos edifícios com apartamentos de luxo, a grande vantagem de morar por aqui é a facilidade de acesso, pois é possível acessar tanto a Rodovia Presidente Dutra como a região central em menos de 10 minutos.
O ponto mais conhecido é a Praça Ulysses Guimarães, que tem mais de 30 mil metros quadrados e é uma ótima opção para praticar exercício, brincar com as crianças e passear com seu animal de estimação (lembre de recolher o lixo, ok?).
Urbanova – Maior qualidade de vida
Muita área verde e nos fins de semana não se assuste com a quantidade de bikes Ciclistas de toda a região costumam vir ao Urbanova para pedalar.
Aqui prédios não são muito comuns. Mais de 90% da região é horizontal e com casas de altíssimo padrão em condomínio fechado como o condomínio Alphaville e o Santa Izabel Urbanova.
Se você tem filhos em idade escolar, no Urbanova você vai encontrar excelentes colégios como o Moppe, Mater Dei e o Maple Bear. Além da Univerdade do Vale do Paraíba – UNIVAP.
Na área da saúde o bairro ainda abriga o Vivalle (privado), melhor hospital da cidade com 155 leitos, sendo 46 em UTI’s.
Zona Central
Na região mais central da cidade estão os bairros mais nobres de São José dos Campos e duas das melhores praças de São José dos Campos.
Os três bairros de que vamos falar ficam muito próximos um ao outro, e não importa qual você escolher, tenha certeza que será uma ótima escolha.
Jardim Esplanada
Localizado na região central, tem um grande número de casas parecidas com os imóveis do Urbanova, mas no geral não são em condomínio fechado.
O famoso banhado pode ser visto perfeitamente da Anchieta, uma das principais avenidas da região e que faz acesso da zona oeste ao centro da cidade. Esta avenida é repleta de alguns dos melhores bares e restaurantes da cidade. É também o endereço de várias imobiliárias.
Vila Ema – Bairro com a melhor vida noturna
O Vila Ema tem um número maior de prédios com apartamentos que vão de cerca de 65 até mais de 200 metros. O prédio onde o Ozires Silva, fundador da Embraer mora fica nesse bairro.
É famoso por sua vida noturna e também famoso por excelentes opções pra quem aprecia uma boa gastronomia.
Jardim Apolo
Um bairro pra fazer tudo a pé, seja comprar pão, ir ao banco ou comer no McDonald’s.
É um bairro seguro e com um condomínio fechado de casas ao lado de um dos parque mais lindos do Vale do Paraíba, o Parque Vicentina Aranha.
Neste parque você terá milhares de metros quadrados de muita área verde, pista de caminhada, quiosques e irá dividir seus momentos de lazer com diversos coelhos, patos e outros pequenos animais que ficam soltos no local.
Já pensou morar pertinho de um lugar assim? Conta pra gente nos comentários onde você mora e o que mais gosta no seu bairro.
 Sobre Willian Savio
Especialista em investimentos, é co-fundador da Imobiliária SPX Imóveis e sócio do maior escritório da XP Investimentos no Vale do Paraíba.
PesquisarARTIGOS RECENTES
Maranata no Vila Industrial SJCampos
Receba gratuitamente novidades sobre o Maranata sem nenhum corretor enchendo o saco.
Fechar
Como é morar em São José dos Campos?
  •  
  •  
  •  
  •  
Este artigo é pra você que está pensando em mudar de cidade e quer saber se vale a pena morar em São José dos Campos.
É uma cidade com uma forte atividade industrial. Aqui você encontra empresas como GM, Embraer e Petrobrás. Antes disso, no século XIX, foi referência no país como produtora de café, depois passou por uma fase sanatorial com grande reconhecimento no tratamento de tuberculose e hoje é referência em pesquisas aeroespaciais.
 
Morar em São José dos Campos é morar em uma cidade com ar de cidade grande, com grandes obras e centros tecnológicos avançados, mas ainda sim, com um ar de cidade de interior. 
 
É uma cidade que anda pra frente e que acolhe muito bem seus novos visitantes. Uma pesquisa do instituto Macroplan (2017) indicou que São José dos Campos assumiu a posição número 4 no ranking das melhores cidades do Brasil.
 
Se você pretende conhecer ou mudar-se para São José, continue lendo este artigo porque vou falar ainda sobre:
Dados importantes:
  • Número de habitantes em São José dos Campos: 629.921 (IBGE – Censo de 2010)
  • Tem 250 anos (em 2017) e faz aniversário no dia 27 de Julho
  • É a principal cidade do Vale do Paraíba
  • Tem 350km² de área urbana e 750km² de área rural
  • Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – 0.807 – 12º maior de SP (2010)
  • Prefeito: Felicio Ramuth – PSDB (anterior: Carlinhos Almeida – PT)
  • A infraestrutura de saneamento básico é excelente
  • Tem clima moderado
Morar em São José dos Campos – Custo de vida
Essa é uma coisa importante para saber antes de mudar pra uma nova cidade e existe basicamente dois itens que definem se o custo será alto ou não comparado a outros locais: alimentação e moradia.
 
Alimentação – Os maiores supermercados do país estão aqui, o que vai garantir um preço bem tranquilo pra compra do mês.
 
Moradia – Já em relação a moradia, o custo de um aluguel de um imóvel simples vai ficar entre R$600,00 e R$1000,00.
 
 
Pra um imóvel com 2 quartos, armários, garagem e em uma região de fácil acesso, o custo médio fica entre R$1000,00 e R$1500,00.
Se você procura algo em uma localização nobre, pode imaginar gastar acima de R$1500,00 ou R$2.000,00 pra começar.
Trânsito, Transporte e Localização
Trânsito – Uma coisa comum por aqui são vias largas, bem pavimentadas e sinalizadas. Um exemplo é a Avenida Nelson D’Avilla, principal entrada da cidade. Esta avenida tem 6 pistas e é de sentido único.
O chato do trânsito fica mais nos horários de pico mesmo pela manhã e no horário que mistura saída de trabalho com saída de escola e entrada de faculdade. Aí vários trechos da Dutra, Anel Viário e Centro ficam um pouco travados.
Ah, e o Urbanova é um lugar lindíssimo, um dos bairros nobres de São José, mas só tem uma entrada e que é repleta de escolas. Então já dá pra imaginar o trânsito ali próximo às 18 horas e horários de pico.
Por fim é bom lembrar que lombadas são raras na cidade, o que criou um número bem grande de radares e é bom tomar cuidado. É fácil levar uma multa logo na primeira visita pela região.
Transporte – São José conta com uma grande frota de ônibus e além dos táxis, conta com o serviço do Uber também. Por enquanto só não existe moto táxi.
Existem linhas de ônibus constantes para todos os pontos da cidade com integração para as concessões de ônibus. É possível fazer duas viagens para o mesmo sentido no período de 2 horas com apenas uma passagem (necessário ter um cartão). Pena que este serviço não é válido para as linhas de transporte alternativo.
Localização – Fica no eixo Rio-São Paulo. É possível fazer de São José dos Campos à São Paulo em 1 hora e até o Rio de Janeiro em 4 horas aproximadamente pela Dutra (BR-116).
Também fica muito fácil fazer um bate-volta até a praia no fim de semana. Em uma hora você consegue chegar em Caraguatatuba e em pouco mais, em Ubatuba, Litoral Norte de São Paulo.
A cidade por região
  • Zona Sul – É uma cidade dentro de São José dos Campos com completa estrutura de comércios e serviços. Não precisa ir ao centro pra nada. O Shopping Vale Sul fica na zona sul.
  • Zona Norte – A industrialização da cidade começou nessa região. Hoje é conhecida como zona de mineiros de São José. Alguns dizem que entrando lá o DDD muda pra 35, numa divertida comparação com Minas Gerais.
  • Zona Leste – Região onde fica o Novo Horizonte e o Vista Verde. A zona leste é o polo tecnológico da cidade, abrigando o INPE e o Parque Tecnológico. Temos um lançamento de apartamento na planta que vale a pena conferir nesta região também.
  • Zona Oeste – Aqui é o lugar que você deve ir se procura por tranquilidade em condomínios fechados de alto padrão. O bairro mais famoso é o Urbanova e é onde fica o Alphaville São José dos Campos.
  • Centro – A cidade tem um centro comercial muito forte, quase tudo você encontra aqui e a região se mostra uma opção muito convidativa a diversos produtos que são muito mais baratos que nos shoppings.
Lazer, Cultura e Vida Noturna
Lazer – Aqui existem bastante opções de lazer em toda a cidade. Existem os parques, como o Parque Vicentina Aranha e o Parque Santos Dumont. 3 grandes shoppings e o Termas do Vale, que é um parque aquático e um pequeno zoológico.
Cultura – O maior responsável pela cultura na cidade é a FCCR – Fundação Cassiano Ricardo que organiza regularmente apresentações, cursos e palestras de teatro, música, dança e outras artes. Um exemplo é o Festivale – Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba que acontece todo ano.
Regularmente encontramos excelentes atividades ligadas a cultura no SESC e no SESI, que também são parceiros da FCCR.
Vida noturna – Bares e baladas são encontrados nas regiões mais centrais da cidade como o Jardim Esplanada, Vila Ema, Vila Addyana e Jardim Apolo, sendo a maior concentração nas redondezas da avenida Anchieta.
Grandes empresas e empregos
Empresas – São José dos Campos é um pólo-industrial e aqui você vai encontrar grandes empresas do país e do mundo em diversos pontos da cidade. Na fila do supermercado podemos encontrar um operário, um construtor de aviões e um executivo de uma multinacional.
O Produto Interno Bruto (PIB) é de R$30,9 bilhões. Isso é 1,7% do PIB de todo o estado. Sendo o PIB Per Capita R$45.412.
Lista das maiores empresas:
  • Petrobrás
  • Embraer – Uma das maiores empresas do setor aeroespacial
  • Avibrás
  • Panasonic
  • General Motors – A primeira grande que chegou na cidade. 
  • Johnson & Johnson
  • Odebrecht
  • Ericsson
  • Eaton 
  • Bradar
  • E outras.
Emprego – São José tem emprego para todas as áreas. São mais de 200 mil empregos formais registrados no momento. Na construção civil sempre há espaço para mão-de-obra. Inclusive é muito comum empresas usarem profissionais de fora na região por falta de gente qualificada nesta área.
Novos estudantes universitários podem conseguir facilmente um trabalho em um dos 3 grandes shoppings.
É sem dúvida uma cidade de empreendedores, mas tem muita gente fazendo de tudo por aqui, então se você quiser ser um profissional “mais ou menos”, saiba que a concorrência é grande.
Aqui até o cara que vende agulha pra desentupir fogão tem que ter um diferencial.
Ciência, Pesquisa e Tecnologia
Um dos fatores que atraem muitos visitantes é o turismo de negócio e científico, visto que a cidade conta com grandes instituições como:
  • ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica (maior concorrência do país com 113 candidatos por vaga)
  • UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo
  • DCTA – Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (militar)
  • Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
  • Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento
  • Parque Tecnológico de São José dos Campos
  • Parque Tecnológico Univap
A cidade é referência em pesquisa aeroespacial e o centro de pesquisa e desenvolvimento (P&D) mundial da Johnson & Johnson está instalado aqui numa área com mais de 900 mil km².
No Instituto de Ciência e Tecnologia da UNIFESP existe o Programa de Extensão MAO3D, que tem como objetivo “protetizar e reabilitar crianças e adultos da região do Vale do Paraíba, que possuem malformação ou amputação de braços, mãos ou dedos, com próteses feitas por impressão 3D”. O programa desenvolve próteses funcionais, leves, coloridas e muitas vezes baseadas em super-heróis, o que ajudar a motivar o uso para as crianças.
Educação
A pesquisa Desafios da Gestão Municipal 2017 apontou que São José tem a 11ª melhor educação do país, na frente de Campinas, Rio de Janeiro e São Paulo. Taubaté, ao lado da cidade ficou muito próximo no ranking.
Tem o colégio Instituto Alpha Lumen, onde os alunos tem aula de economia no Ensino Médio e participam do núcleo gestor da escola. Participam regularmente de oficinas com mentores e empresários de sucesso. Tem também matérias optativas como Cinema, Linguagem Arquitetônica, programação e Design.
Saúde
Já na saúde, a cidade ocupa a posição 20 entre as 100 melhores no Brasil, enquanto São Paulo fica em 37º e Taubaté, em 50º lugar.
Muito do que São José é hoje se deve a fase sanatorial, onde a cidade era muito procurada para o tratamento de tuberculosos no que hoje é conhecido como Parque Vicentina Aranha.
Sanatório Vicentina Aranha – 1920 (Foto: Prefeitura de São José dos Campos)
Curiosidades:
  • Foi a primeira cidade do Brasil a adotar o sistema de parquímetros.
  • O Shopping Vale Sul era uma fábrica de chinelos.
  • O ator Jackie Chan comprou um avião da Embraer (na verdade foram 2).
  • O primeiro astronauta brasileiro (Marcos Pontes) estudou no ITA.
  • A maioria dos imóveis só possuem tomadas 220v.
Extras
Faça o download do mapa de São José dos Campos aqui:
Visualizar mapa em PDF.
Quer saber algo a mais sobre a cidade? Deixe um comentário aqui embaixo.
 Sobre Willian Savio
Especialista em investimentos, é co-fundador da Imobiliária SPX Imóveis e sócio do maior escritório da XP Investimentos no Vale do Paraíba.
PesquisarARTIGOS RECENTES
Maranata no Vila Industrial SJCampos
Receba gratuitamente novidades sobre o Maranata sem nenhum corretor enchendo o saco.
Fechar
Descubra as vantagens dos apartamentos compactos em São José dos Campos
  •  
  •  
  •  
  •  
Os apartamentos compactos têm sido cada vez mais procurados, e não é à toa. Com a mudança de necessidades provocada pela modernidade — menos filhos, jovens morando sozinhos e a preferência por residir próximo ao trabalho —, eles viraram objetos de desejo. Isso porque atendem à maior parte das necessidades e ainda ajudam a economizar.
Entenda melhor lendo o artigo a seguir!
A localização privilegiada é preferência
Morar nas regiões centrais é o desejo de muita gente. Principalmente porque o tempo de locomoção nas grandes cidades tem sido cada vez maior.
Os apartamentos compactos costumam ser construídos em localizações privilegiadas e, por conta do tamanho, custam bem menos que as opções tradicionais.
Já se imaginou morando no Jardim Aquarius? Esse sonho pode não estar tão distante quanto você imagina.
O imposto dos apartamentos compactos é menor
Como o apartamento é pequeno, os custos também diminuem. Algumas taxas e impostos são equivalentes ao tamanho do imóvel, como:
  • ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis);
  • valor do contrato de financiamento;
  • custos de registro da escritura de compra e venda do contrato;
  • IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano).
Os custos de manutenção são reduzidos
Um apartamento menor também tem menos instalações elétricas e hidráulicas, tubulações de ar e outros elementos que demandam reparos periódicos. Isso significa economia na manutenção.
A economia ajuda a equilibrar as contas
A necessidade de iluminação e eletrodomésticos também é menor. Se o local é pequeno, um único ar-condicionado consegue refrigerar todo o ambiente e, por vezes, até mesmo o quarto. Tudo isso é refletido nas contas, que acabam diminuindo.
As opções de lazer existentes no condomínio
Além dos espaços compartilhados tradicionais — como piscina, quadra de esportes e salões de festas —, os condomínios de apartamentos compactos costumam oferecer outras opções. Elas podem incluir:
  • academias;
  • espaço gourmet;
  • solarium;
  • coworking e muito mais.
Também pode haver oferta de serviços como lavanderia, por exemplo.
O tamanho facilita a limpeza e organização
Em um apartamento compacto, o espaço restrito exige que somente móveis funcionais permaneçam. Dessa forma, a tendência é acumular menos itens sem uso e móveis desnecessários.
Além disso, a limpeza é bem mais simples que a de um imóvel grande, com corredores, muitas janelas e vários quartos. Para manter a funcionalidade, o morador acaba tendo que realizar uma organização constante, evitando o acúmulo de bagunça.
O investimento é atrativo para o futuro
Se você vai comprar um apartamento pequeno e não sabe se ainda pretende morar nele daqui a alguns anos — ao casar ou ter filhos, por exemplo —, não se preocupe.
As mesmas vantagens que são atrativas para você agora, também vão ser importantes para outras pessoas. Sempre há quem procure um local bem localizado e com custo reduzido para morar.
Os gastos com decoração são menores
Morar em espaços pequenos exige criatividade. A decoração precisa favorecer o ambiente, o que pode ser feito com a cor certa, espelhos e objetos decorativos.
Não é necessário investir rios de dinheiro para deixar o apartamento bonito, aconchegante e agradável. Optando por alguns poucos objetos, colocados nos lugares certos, é possível imprimir sua personalidade ao lugar.
Vale a pena, ainda, investir em móveis planejados e multifuncionais. Todo o espaço pode ser bem aproveitado e, ainda assim, deixar área livre para circulação.
Se você gostou, saiba que em São José dos Campos existem algumas opções ótimas de apartamentos compactos, como o SMART Residence, da construtora Reflora e o Moriah, da construtora Mvituzzo.
Você pode tirar dúvidas e conhecer outros empreendimentos com a SPX. Entre em contato com a gente!
 Sobre SPX
O Portal SPX é uma plataforma de anúncios de imóveis presente em Fortaleza, Ceará e em São José dos Campos, no interior de São Paulo.
No SPX você consegue tirar suas principais dúvidas sobre imóveis e ainda encontrar o seu novo lar com comodidade e segurança.
Lista de bairros de São José dos Campos
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa
Esta é uma lista dos bairros da cidade de São José dos Campos, segundo a lista disponibilizada pela Prefeitura Municipal em seu site, com base nos dados do Censo IBGE de 2010.
A cidade possui, segundo estimativas, 681.036 habitantes, que estão espalhados em uma área de 1.099,41km², resultando em uma densidade de 572,96 hab/km². A área urbana está localizada ao sul do território da cidade, e está dividida em seis regiões (centro, região leste, região norte, região oeste, região sudeste e região sul), além dos distritos de Eugênio de Melo, que é incluído na região leste, e de São Francisco Xavier, que está localizado ao norte do território municipal.
Lista de bairros[editar | 
Cadastre seu Imóvel

Quer negociar seu imóvel? Somos especialistas! Deixe seu imóvel com quem entende do assunto.

Cadastrar imóvel
Não encontrou o Imóvel desejado?

Informe as características do imóvel desejado e encontraremos o imóvel para Você!

Informar Agora
  • Franquia
O que nossos clientes dizem:

Tenho orgulho em ser cliente! Me ajudaram muito na realização de meu sonho!

Alana Silva
1